Neste fim de semana um grande sonho chegou ao fim.

Graças ao meu amigo Manoel S., que ajudou a derrubar um mito.

Há muito tempo li, não sei se foi no Jacaré, no Chongas, no Bobagento, Uhull, Sedentário, Pilândia ou um desses mais clássicos (por clássicos quero dizer mais antigos), uma história de um refrigerante “Divino”, originário do estado do Maranhão, que tinha em suas raízes, uma história parecida com a da Coca Cola.

Uma história de tão grande sucesso por lá, que levou a Coca Cola a adiquirir esta marca para que, entre outras histórias, tal sucesso não se espalhasse pelo Brasil e tomasse lugar do Líquido Preto-Caramelo Sagrado, presente em 13 de 10 casas nas classes de A a Z.

Muitas foram as histórias, e o esforço da Coca Cola para que tal bebida não chegasse a outros estados brasileiros não só seria mais uma destas histórias, como é uma realidade.

Eu como bom conspiracionista que sou, sempre tive vontade de experimentar o “Sonho Rosa“, e algumas vezes a chance de conseguir passaram de raspão.

Até que um dia minha irmã me ligou do “Paraíso” (para alguns, não para mim), e me disse:

“Toru fiquei sabendo que tem um mercado em Belo Horizonte que vende o Sonho Cor de Rosa!”

Logo fiquei empolgado e na primeira chance que tive entrei em contato com meu amigo Manoel S., e lhe passei tais informações, pedindo que não só comprasse e desse um jeito de me enviar uma amostra, como sendo uma refinado crítico gastronômico, me dissesse se toda a mitologia ao redor do tal líquido seria verdade.

Meses se passaram até o dia em que houvesse um cruzamento de datas, feriados, a existência de tal líquido no mercado e a possibilidade de nos encontrar-mos, e ontem eu pude conhecer o tão falado Líquido Rosa Paradisíaco, irmão ideológico do Líquido Preto-Caramelado Divino, que trazia em sua história sombrios lampejos de ação e de mistério criando em mim uma super espectativa.

Pra quem ainda não descobriu estou falando do Guaraná Jesus, um produto exclusivo do mercado maranhense, cujo sabor se diz maravilhoso, mais conhecido naquele estado que o verdadeiro Jesus bíblico, com história de criação bem parecido com o da Coca Cola, que por dominar o mercado local e impedir o avanço da venda do produto Coca Cola foi comprado por esta empresa e toda uma mitologia que se você pesquisar no Google vai ter um monte de coisa pra você ler.

Pois então, ontem o Manoel S. me trouxe duas latinhas de Guaraná Jesus que ele encontrou no tal mercado de Belo Horizonte, e antes de dizer qualquer coisa eu vou colocar uma opinião bem legal:

lata do famoso guaraná jesus

Ei Miau, o que você achou do Guarana Jesus, o “Sonho Cor de Rosa”?

guaraná jesus é ruuiiiiimmmmmm

Pois é pessoal, eu também compartilho do pensamento do Miau (você não entendeu qual é a jogada do gato molhado, está por fora das atualizações da internet? Clique aqui e entenda).

Primeiramente uma latinha bem bonitinha, em seguida ao abrir a lata, um cheiro doce enjoativo (com forte cheiro de Cravo, não aquela flor fedida, aquele pauzinho preto que vem no meio dos doces de festas beijinho e cajuzinho, que também é essência daquele produto importado feito de tabaco moído acrecido de químicos e em seguida enrolado em papel fino e acrescido de filtro, que algumas pessoas com racioncínio decrescido colocam na boca, depois acendem a exremidade que não está na boca com fogo e através do ato de puxar o ar através deste produto inalam sua fumaça para em seguida expelir a fumaça de seus pulmões, deixando no ar além do cheiro do cravo uma gama de químicos que fazem mal não somente ao usuário deste produto quanto de pessoas próximas à ele) e Canela (aquele pózinho vermelho que tem em alguns doces e em abacaxi de churrascaria). Ao ser servido em um copo transparente logo se nota uma cor rosa “radiotaivo”, rosa shoking, rosa chiclete tutifruti, que é bem chamativa.

No primeiro gole, na primeira passada na língua, ao primeiro contato com as papilas degustativas, uma enxurrada de sabores:

  • doce,
  • azedo,
  • amargo,
  • chiclete,
  • tutifruti,
  • bala frumelo,
  • canela,
  • cravo,
  • guaraná,
  • soda limonada.

Que ao atravessar a lígua e chegar à garganta, bombardeia seu paladar e olfato como bombardearam o Iraque durante a invasão das tropas americanas, que dá a ligeira impressão de ter tomado uma golada de água com gás e ter feito gargarejo com desinfetante de flores.

Logo em seguida você toma mais um gole, porque já abriu mesmo, não se pode jogar fora. Só então recebe um chamado lá do fundo da memória, lá daquela conexão sináptica de milhões de segundos atrás, lhe trazendo à sombra da visão a imagem de um remédio ruim que você tomou algum dia.

No terceiro gole você já cheio daquela overdose de sabores e odores, já tem em mente que não pode sofrer sozinho, tem que compartilhar com alguém aquelas sensações desagradáveis.

Já no quarto gole você pensa consigo mesmo:

Por que é que eu não parei com isso lá no primeiro gole?

Nisso um certo torpor toma conta da sua cabeça, aquele cheiro todo, aquele estímulo excessivo dos seus neurônios, não estão te fazendo bem. É hora de parar. Deixar isso alí sobre a mesa e torcer para que as vezes alguém vem e toma o resto sem saber.

Assim após um dia de ter experimentado o Guaraná Jesus, ele se tornou para mim o Pesadelo Rosa!

A queda de um Mito, a destruição de uma conspiração que parecia ser verdadeira, por que a Coca Cola tem tanto medo dessa… dessa… dessa… hummm… melhor não colocar aqui uma expressão.

Vá lá você…

Procure…

Prove…

Depois volte aqui e iniciemos uma discussão sobre o tema.

Estou aberto a opiniões…

Abraço e Obrigado ao Manoel S. por me ajudar a quebrar um mito.

Update: me disseram que esse guaraná com vodka cítrus devve ficar bom…